Enredos de escolas de samba são temas de série do Prime Box Brazil

A série ‘Cinema de Enredo’ foi filmada no Rio de Janeiro e tem previsão de estreia para 2020 no canal por assinatura Prime Box Brazil

 

Agosto de 2019 – Uma série de ficção com histórias inspiradas em sambas de enredo das Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Essa é a proposta de ‘Cinema de Enredo’, com criação, argumentos e direção de Luiz Antônio Pilar e produzida pela Lapilar Produções Artísticas. A atração foi filmada no centro histórico e em cartões-postais da capital carioca e tem estreia prevista para 2020 no canal de TV por assinatura Prime Box Brazil                                                                 

Dividida em 10 episódios, a série atende a diferentes gêneros dramáticos: comédia, drama, farsa, tragédia, romance, tragicomédia e pastelão. Para dar vida a essas histórias, Pilar escalou a roteirista Claudia Valli.

A diversidade é outra característica marcante em ‘Cinema de Enredo’. A escolha das equipes técnica, de produção e elenco levou em consideração ampla variedade étnica, linguística e de gênero.

Em nosso projeto a presença de negros, mulheres, mulheres trans e pessoas com deficiências, entre outros perfis profissionais, são sempre bem-vindas. Queremos, com isso, estabelecer dinâmica narrativa ao resultado final da série. Também fortalecer essa participação ao ponto de que seja absolutamente normal o acesso delas ao audiovisual brasileiro”, explica Luiz Antônio Pilar, importante diretor de teatro, televisão e cinema, com grandes sucessos no currículo como as telenovelas “Sinhá Moça”, “A Padroeira” e a icônica “Xica da Silva”, da extinta Rede Manchete.

O elenco reforça ainda mais a diversidade: é formado por mais de 150 atores, sendo 80% dos profissionais negros. Entre eles, grandes nomes da atuação como o experiente ator Antônio Pitanga e seu filho Rocco Pitanga, Nando Cunha, e as atrizes Elisa Lucinda, Aisha Jambo, Gisele Itiê, Noêmia Oliveira do canal Porta dos Fundos, entre outros.

A lista dos sambas-enredo que inspiraram os episódios: ‘Meu pé de laranja lima’, da Mocidade Independente de Padre Miguel, de 1970; ‘Oferendas’, da Unidos da Ponte, de 1984; Yayá do Cais Dourado, samba de Martinho da Vila para Vila Isabel, no ano de 1964; ‘Lapa em três tempos’, da Portela, de 1971; ‘Pra tudo se acabar na quarta-feira de cinzas’, da Vila Isabel, de 1984; ‘Um herói, uma canção, um enredo’, da União da Ilha do Governador, de 1985; ‘A Morte da Porta-estandarte’, de 1975,da Imperatriz Leopoldinense; ‘Cama, Mesa e Banho de Gato’, da Unidos da Tijuca, de 1986; ‘O Amanhã’, da União da Ilha do Governador, de 1986; e ‘E Verás que Um Filho Teu Não Foge a Luta’, Império Serrano, em 1996.